INDICAÇÕES

DE CONTEÚDO

ARTIGOS

O Brasil tem o maior índice de pessoas transgêneras do mundo. O artigo focará no debate sobre como a audiodescrição de alguns produtos audiovisuais deve ser usada para chamar a atenção para a discriminação e para a violência sofrida pelos casais homossexuais. Escolhemos o videoclipe Flutua, produzido e interpretado por Johnny Hooker com uma participação especial da cantora brasileira Liniker, uma mulher trans negra. O clipe apresenta uma narrativa visual excepcional envolvendo temas contemporâneos tais como gays com deficiências, gênero fluido e homofobia. Ao longo do vídeo, um casal gay surdo passa um dia se divertindo com amigos em um cenário urbano composto por ruas conhecidas da cidade de São Paulo. No final do dia, um membro do grupo sofre um ataque muito violento. Serão apresentadas as audiodescrições das cenas mais relevantes, das identidades e do figurino dos cantores e seus movimentos sempre colocando a música como protagonista de Flutua.

Palavras-chave: Audiodescrição, Consciência da diversidade, Tradução audiovisual acessível

Autores:

  • Lucinea Marcelino Villela

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

https://orcid.org/0000-0001-9145-518X

  • Gonzalo Iturregui-Gallardo

Universidade Autonoma de Barcelona

https://orcid.org/0000-0003-3664-0045











Autoras: Soraya Ferreira Alvez; Veryanne Couto Teles; Tomás Verdi Pereira


A audiodescrição (AD) é uma ferramenta utilizada para garantir maior acessibilidade à informação visual a indivíduos com deficiência visual e consiste na tradução das imagens em palavras. Essa operação, porém, é bastante complexa, pois não basta apenas descrever o que se vê, mas o que é relevante para a organização semiótica da obra. A partir desses pressupostos, foi realizada pesquisa na Universidade de Brasília com o objetivo de propor parâmetros para um modelo de audiodescrição brasileiro. A pesquisa teve como corpus 4 curtas-metragens, para os quais foram confeccionados 2 modelos de roteiro cada, com base nos modelos espanhol (centrado na ação) e inglês (detalhado) e contando-se com a assessoria de um aluno deficiente visual. A pesquisa de recepção foi feita tendo como sujeitos deficientes visuais adultos. Serão apresentadas aqui, considerações sobre os modelos utilizados, as sugestões dos sujeitos consultados e propostas para um novo modelo.






Autoras: Soraya Ferreira Alvez; Veryanne Couto Teles; Tomás Verdi Pereira


A audiodescrição (AD) é uma ferramenta utilizada para garantir maior acessibilidade à informação visual a indivíduos com deficiência visual e consiste na tradução das imagens em palavras. Essa operação, porém, é bastante complexa, pois não basta apenas descrever o que se vê, mas o que é relevante para a organização semiótica da obra. A partir desses pressupostos, foi realizada pesquisa na Universidade de Brasília com o objetivo de propor parâmetros para um modelo de audiodescrição brasileiro. A pesquisa teve como corpus 4 curtas-metragens, para os quais foram confeccionados 2 modelos de roteiro cada, com base nos modelos espanhol (centrado na ação) e inglês (detalhado) e contando-se com a assessoria de um aluno deficiente visual. A pesquisa de recepção foi feita tendo como sujeitos deficientes visuais adultos. Serão apresentadas aqui, considerações sobre os modelos utilizados, as sugestões dos sujeitos consultados e propostas para um novo modelo.







Autora: Lívia Maria Villela de Mello Motta

O artigo expõe a necessidade da escola preparar docentes para a prática da audiodescrição na escola. Está disponível no espaço virtual VER COM PALAVRAS. Esse espaço foi criado em fevereiro de 2011 por Lívia Motta, audiodescritora e formadora de audiodescritores. De acordo com Motta, esse espaço pretende colaborar para a maior divulgação do recurso, para discussões, trocas e construção.



Autoras: Giovana Cordeiro Campos e Vanessa Lopes Lourenço Hanes




LIVROS

Nesta obra, roteiristas, consultores e narradores de audiodescrição dão seus relatos reais sobre os desafios e sucessos da criação de acessibilidade em eventos ao vivo.

por Ana Julia Perrotti-Garcia (Autor), Fernanda Brahemcha (Autor)

Organizadora: Dayane Stockey Carpas

“Audiodescrição: práticas e reflexões” reúne trabalhos e discussões de pesquisadores e profissionais da área. A coletânea mostra a importância da AD em nossa sociedade e como ela vem sendo trabalhada no Brasil.

Autora: Luciana Carvalho Fonseca

Este livro reúne cerca de duas centenas de pequenos textos publicados ao longo de quatro anos na coluna MIGALAW do site Migalhas e no Termo da Semana da TradJuris. A grande maioria das publicações foi motivada por perguntas enviadas pelos leitores. Portanto, podemos dizer que se trata de um retrato da curiosidade dos profissionais jurídicos e tradutores brasileiros sobre temas e termos de tradução e terminologia jurídica.

Organizadores: Lívia Maria Villela de Mello Motta e Paulo Romeu Filho

O livro objetiva informar profissionais de TV, cinema, teatro, museus e outras artes visuais, assim como professores e alunos de cursos de audiodescrição, profissionais da área de Letras, Tradução, Comunicação e Artes, Educação e outras ligadas a questões de acessibilidade. Além disso, servirá como material de referência e apoio técnico-teórico para pessoas que buscam conhecer a técnica, que frequentam os cursos de formação de audiodescritores e que já trabalham com pessoas com deficiência visual. Para isso, discute o conceito, o panorama mundial e brasileiro, o histórico, a experiência brasileira em teatro, TV, festivais de cinema, óperas, filmes, exposições, comerciais, animações e documentários.

Autora: Dilma Machado


Referência na tradução para dublagem brasileira, Dilma Machado descreve o funcionamento desse campo de forma extensa, estabelecendo um elo entre teoria e prática.

Esta coletânea marca os 10 anos do evento Encontro que, nesta VI edição, manteve a diversidade tanto de temas quanto de palestrantes, nacionais e estrangeiros, como tem sido desde o primeiro Encontro. A versão on-line possibilitou que tivéssemos a participação de pessoas de todas as regiões do Brasil e também de vários outros países.

A versão em PDF pode ser baixada em doi.org/10.52050/9786586030600

Em mais de 15 anos de atuação como tradutora freelancer e trabalhando com formação teórica e prática de tradutores e intérpretes, Ana Julia Perrotti-Garcia vem acompanhando as diferentes mudanças ocorridas no mercado da Tradução. Graças a isso, sabe como muita coisa mudou nesse tempo e como algumas continuam exatamente iguais. Dúvidas sobre tecnologia, mercado de trabalho, cobrança e recebimento de valores estão sempre presentes nas discussões e nas mensagens enviadas por tradutores profissionais iniciantes e estudantes. A Série Profissão: Tradutor foi desenvolvida para tentar organizar algumas dessas informações, além de outras, sistematizando-as e facilitando seu acesso. Evidentemente, com a velocidade com que as coisas evoluem, a Série não traz todas as respostas, nem mesmo as respostas definitivas. Buscou-se trazer as sementes, para que cada um consiga produzir as respostas que mais se enquadrem na sua realidade. Como Ingressar no Mercado da Tradução é o primeiro volume da Série e tem como objetivo orientar estudantes, tradutores iniciantes ou estudiosos da Tradução/Interpretação, independentemente de suas línguas de trabalho, a dar os primeiros passos em direção à profissionalização. A autora enfoca temas atuais e relevantes, através de uma abordagem prática, com linguagem leve e descontraída. Assim como os demais volumes, este surgiu da reunião das perguntas mais frequentes feitas por quem deseja ingressar neste mercado. A autora organizou as dúvidas por assunto e compilou as informações em forma de livro. Portanto, este é um texto criado a partir de necessidades reais para levar ao leitor informações úteis e verdadeiras. Ao longo dos capítulos, a autora incluiu ainda os chamados “causos tradutórios”, histórias reais, que aconteceram com a autora, colegas ou alunos, para que o leitor tenha contato com eventos autênticos. Este é, sem dúvida, um importante guia para quem deseja ingressar no mercado da Tradução!

GUIAS

Autores: Vera Lúcia Santiago Araújo - Patrícia Araújo Vieira - Silvia Malena Modesto Monteiro (Orgs.)

Este guia é resultado de 20 anos de pesquisas em Legendagem do grupo Legendagem e Audiodescrição (LEAD) da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Essas pesquisas são financiadas pela Capes, Funcap e, principalmente, pelo CNPq. Foram muitos projetos abordando vários tipos de pesquisa (descritiva, exploratória e experimental), muitos trabalhos de conclusão de curso, várias dissertações e teses para conseguirmos estabelecer padrões eficazes para a recepção de produtos legendados, tanto para ouvintes quanto para surdos. Esses padrões são estabelecidos de acordo com os diferentes objetivos que a legendagem pode ter: para o teatro, o cinema, a televisão e a sala de aula. Todas as pesquisas estão baseadas na prática de legendagem envolvida nas ações do grupo LEAD em diversas produções culturais, tais como filmes em DVD, peças de teatro e festivais de cinema.

Os oito capítulos destinam-se a profissionais, produtores culturais, pesquisadores e interessados na área de legendagem. O objetivo principal é apresentar parâmetros de legendagem que atendam às expectativas do público brasileiro.

Autora: Sylvia Bahiense Naves

O Guia Orientador traz parâmetros para os recursos de acessibilidade de audiodescrição, legendas para surdos e ensurdecidos (LSE) e janela de LIBRAS.

BLOGS

O TRADUSA – Encontro – Cursos – Oficinas é um projeto voltado para o aprimoramento profissional de tradutores e intérpretes da área médica e de estudantes e iniciantes interessados nessa área.

Cátia Santana, graduada em Secretariado Executivo Bilíngue pela Universidade Braz Cubas e pós-graduada em Tradução: Inglês/Português pelo Centro Universitário Ibero-Americano. Tradutora e revisora desde 2009, trabalha com os idiomas português, inglês e espanhol. É especializada na tradução de textos da área farmacêutica.

Contato: catiasantana@tradusa.com.br

Com o intuito de divulgar os trabalhos realizados na área de mídia acessível e tradução audiovisual, o blog do grupo Matav Unesp é também um lugar para acompanhar notícias sobre o tema, saber de eventos e também encontrar material para esse tipo de trabalho.

Líder: Profa. Dra. Lucinea Marcelino Villela

Contato: grupomatav@hotmail.com

TODO O CONTEÚDO DA SÉRIE #SOSTRADUÇÃOMÉDICA É PRODUZIDO ORIGINALMENTE PELA DRA. CARLA VORSATZ E PODE SER UTILIZADO PARA FINS PESSOAIS, DE CONSULTA, ORIENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO, DESDE QUE A FONTE SEJA CITADA. QUALQUER UTILIZAÇÃO DIVERSA SEM A AUTORIZAÇÃO POR ESCRITO DA AUTORA CONSTITUIRÁ INFRAÇÃO AUTORAL.

Apresentado por Denise Bottmann como um blog contra plágios de tradução e variedades várias.

PODCASTS

Papo Com Legenda

O "Papo com Legenda" é um podcast sobre acessibilidade, desenvolvido pelos integrantes do Grupo de Pesquisa @matav_unesp

VÍDEOS

Palestrantes:

Ana Laura Barbosa da Silva, Fernanda Shiguemura Sakamoto, Gloria Castagnino, Karina Zumesteen, Larissa Souza Nunes, Dra. Leila Maria Gumushian Felipini

Mediadora: Dra. Juliana Vechetti Mantovani Cavalante

Intérprete: Gilcemar de Souza Werneck - APAE Bauru

Vídeos apresentados:

VÍDEO RUNAWAY COM AUDIODESCRIÇÃO

TAKING FLIGHT COM LEGENDAGEM PARA SURDOS E ENSURDECIDOS


A roda de conversa tratou de pesquisas na área de Linguística de Corpus, sua interface com a Fraseologia, com foco no ensino e na tradução de colocações. Apresentará uma visão panorâmica da interface entre essas áreas, de suas contribuições para a produção de dicionários de colocações da língua geral ou de línguas de especialidade, bem como da elaboração de atividades colocacionais voltadas para aprendizes de línguas e de tradução. Ademais, abordará programas de gerenciamento de corpus e de análise lexical voltados para pesquisas nas áreas de Ensino de Línguas Estrangeiras e para a Tradução.

A palestra Plágio em Traduções Literárias foi organizada pelo Grupo de Pesquisa Estudos da Tradução, grupo vinculado ao curso Letras-Tradutor do UNISAGRADO.

A palestrante Profa. Me. Denise Bottmann é mestre em História pela Unicamp (1985), onde foi professora entre 1983 e 1996. É tradutora e pesquisadora em História da tradução no Brasil. É autora de "Padrões explicativos na historiografia brasileira" e de artigos de crítica e teoria historiográfica em revistas especializadas. Possui o blog "Não gosto de Plágio".

O evento é de muita relevância para os alunos, docentes e interessados nos Estudos da Tradução, uma vez que abordará um tema pouco discutido, mas de grande contribuição para a prática da Tradução Literária. A atividade será mediada pelo Prof. Dr. João José Caluzi, professor da UNESP Bauru e tradutor, egresso do UNISAGRADO.